Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
26/01/2017

Cuidados e Desafios no Plantio do Milho Safrinha

Entramos mais uma vez no período de plantio do milho safrinha. Os números são incontestáveis, o crescimento da área plantada e os ganhos em produtividade não encontram paralelo na história da agricultura mundial. Em pouco mais de 20 anos, a área plantada saiu de 1,4 milhão de hectares para aproximadamente 10 milhões de hectares, e a produtividade média foi de 2.200 Kg/ha para 5.700 Kg/ha. A coragem e o espírito empreendedor são marca inegável da história da agricultura.

Do outro lado, temos o trabalho de empresas como a BioGene, que minuciosamente pesquisam, desenvolvem e possuem profissionais com responsabilidade. Além disso, ainda temos empresas de químicos, fertilizantes, maquinário e outras.

Certamente, o lançamento de cultivares de soja mais precoces foi um marco que possibilitou este crescimento, permitindo que hoje o milho seja plantado entre Janeiro e Fevereiro. Porém, simultaneamente, tivemos outras ferramentas que multiplicaram as oportunidades na safrinha, como máquinas mais modernas, técnicas mais apuradas para o uso de fungicidas, híbridos de milho desenvolvidos especificamente para época e, mais recentemente, o surgimento e evolução da biotecnologia agrícola. Todos estes fatores foram fundamentais para fortalecer a coragem do produtor no aumento da área plantada e, certamente, o valor da saca também é um item determinante.

A Importância do Planejamento

Agora devemos entrar em uma fase em que os cuidados com o plantio devem orbitar em outra esfera, e estes cuidados estão religiosamente ligados ao planejamento.

O primeiro passo do planejamento para o plantio do milho safrinha já foi dado na escolha da soja verão, quando o produtor escolhe cultivares mais precoces para os talhões onde deseja realizar o plantio do milho, uma vez que ele deve ser plantado o mais cedo possível.

Para o plantio, evitar solos muito arenosos é importante e diminui os riscos. Desta forma, é imprescindível a utilização de técnicas que aumentem a disponibilidade de água durante todo ciclo da cultura, como por exemplo, o plantio direto, que colabora muito para o processo. O correto é que o plantio seja realizado direto na palha, palhada ou resteva. Sem palhada, estiagens pequenas podem causar perdas enormes.

População de plantas, velocidade e distribuição devem ser ajustadas

Outro fator importante a ser observado dentro do plantio é a população de plantas. Cada híbrido tem sua população recomendada com o máximo e mínimo previstos. A população máxima deve ser utilizada em talhões plantados mais cedo e que tenham bons níveis de fertilidade e/ou adubação. Quanto mais tarde o plantio, ou quanto menor a fertilidade do talhão, maior deve ser a redução do número de sementes, até chegar ao mínimo recomendado para o melhor desempenho do híbrido.

Além de atentar para a população de plantas correta, a distribuição destas plantas é fundamental. Para que a distribuição ocorra perfeitamente, a regulagem da plantadeira e a velocidade de plantio devem seguir as recomendações dos fabricantes, pesquisadores e profissionais da área. A velocidade baixa é fundamental para uma distribuição boa no plantio, já que a distribuição horizontal das sementes deve ser o mais homogênea possível, ou seja, com coeficiente de variação baixo.

Você pode avaliar o seu plantio utilizando a ferramenta de Avaliação de Plantio, disponível no site da BioGene em biogene.com.br/avaliacaodeplantio

8 Km/hora

5 Km/hora

A distribuição vertical de sementes, que devem estar na mesma profundidade, é fundamental para obtenção de espigas homogêneas em todas as plantas. Somente com a velocidade adequada é possível atingir esta meta e, com isso, conseguir melhores resultados.

Espigas homogêneas com boa distribuição horizontal e vertical

Aspectos Importantes da Adubação, Fertilidade e Controle de Pragas

A adubação de cobertura deve ser repensada em alguns casos, melhorando os pontos de N (Nitrogênio) e K (Potássio). No centro oeste, principalmente, será preciso realizar esta operação em duas etapas, se for possível, evitando o uso da ureia prill ou ureia comum, e dando preferência às que são protegidas.

Certamente a fertilidade é um item muito complexo, mas é importante sempre observar os níveis mínimos exigidos de todos os nutrientes. Para isso, é fundamental o acompanhamento através da análise do solo.

Além disso, não podemos esquecer as pragas, que podem limitar muito a produtividade, desta forma, o uso de um Tratamento de Sementes específico para mastigadores (lagartas), e também para sugadores (percevejos e cigarrinhas) é fundamental para proteção inicial das plantas. Muitas vezes, o produtor considera que qualquer tipo de tratamento cobre todas as pragas, mas isto não é verdade, é necessária orientação técnica para indicar exatamente de quais pragas o tratamento protege. Devemos buscar tratamentos que proporcionem supressão tanto de mastigadores como de sugadores.

A utilização de inseticidas no pré plantio, ou no palito, tendo como alvo percevejos e, principalmente, lagartas, também deve ser considerado fortemente.

Com o lançamento de híbridos BioGene com a tecnologia Leptra® de proteção contra insetos, podemos oferecer ao produtor uma segurança maior no controle das principais lagartas (mastigadores) que atacam o milho. Porém, é importante lembrar que, mesmo assim, o uso do tratamento de sementes, o uso de refúgio e a realização de um monitoramento eficiente devem estar presentes em 100% das lavouras.

A tecnologia Leptra®, juntamente com o lançamento de novos híbridos, permite a BioGene oferecer ao mercado Brasileiro o que há de melhor atualmente na agricultura mundial, o que, certamente, contribui para o desafio do produtor em melhorar sua rentabilidade.

É fundamental o entendimento de que para termos ganhos em produtividade e rentabilidade, não podemos reduzir a tecnologia, e que ao pensar em custo, devemos buscar a redução por saco produzido, escapando da armadilha que são os movimentos em busca da redução do custo por hectare.

O principal cuidado para o plantio da safrinha de milho chama-se planejamento.

Desejamos que as chuvas ocorram no momento certo, e esperamos uma ótima safrinha.

Autor: Thiago Salvador, Gerente de Contas da BioGene