Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksBioGene / Media Center / Artigos

Artigos

30/11/2016

Fatores climáticos que comprometem a produtividade nas lavouras de Milho e Soja

As culturas de Milho e Soja são os principais cereais cultivados no Brasil, compreendendo uma área de 15.215 milhões (39,03%) e 33.228 milhões (48,45%) de hectares respectivamente em 2015, segundo a CONAB (Companhia Nacional de Abastecimento). A média de produtividade no Brasil para a 1ª safra de milho é de 4.901 kg/ha, já para a 2ª safra é de 5.713 kg/ha, e para a cultura da soja é de 3.073 kg/ha. Existem registros de produtividade acima de 16.000 kg/ha no milho e 7.000 kg/ha na soja, ficando a média muito abaixo do potencial dessas culturas.

Entre os diversos fatores que podem afetar a produtividade, o clima é um dos que possui grande potencial de limitação. A água da chuva e a temperatura são fatores climáticos diretamente relacionados com a produtividade e, neste caso, a interferência do homem é bastante restrita, porém, algumas ferramentas de manejo podem contribuir e amenizar os prejuízos.

Figura 1 - Brasil: Percentagem da produção total por produto

Chuva (Água)

A água, elemento de extrema importância para a umidade no solo, é considerada a principal causa limitante da produtividade, uma vez que sua escassez pode comprometer até 100% do rendimento. A irrigação é uma das ferramentas disponíveis para amenizar os prejuízos, porém, a instalação desse sistema não é possível em todos os locais.

Mesmo com toda tecnologia hoje existente, a chuva é um fator que não pode ser manipulado. O que conseguimos fazer é prever como estará o tempo, e ainda, com certa margem de erro. Desta forma, algumas ferramentas de manejo são essenciais na diluição dos riscos que a falta de chuva pode ocasionar, como por exemplo: o plantio direto, a cobertura do solo com palhada, a rotação de culturas e a densidade adequada de plantio.

Figura 2 - Foto: Marcelo Detomasi

Temperatura

A temperatura é outro fator climático de impacto na produtividade de qualquer cultura, pois está ligado diretamente ao metabolismo das plantas. Para a cultura do milho, temperaturas abaixo de 10°C cessam o crescimento da planta, enquanto que temperaturas noturnas acima de 30°C, por longos períodos, afetam a produtividade pelo consumo de fotoassimilados. A faixa de temperatura média ideal para o milho varia entre 24°C e 30°C, sendo que a temperatura noturna menor, favorece a produtividade da cultura. Essa característica climática é encontrada em regiões com altitude acima de 700 metros em relação ao nível do mar.

Para o crescimento da soja, a temperatura média ideal fica próxima aos 30°C e sua semeadura nunca deve ser realizada abaixo de 20°C no solo. Temperaturas elevadas na emergência da soja podem provocar escaldaduras (Figura 3) na planta em níveis irreversíveis e comprometer significativamente a produtividade.

Figura 3 - Foto: Marcelo Detomasi

As principais ferramentas de manejo que contribuem para a diluição dos riscos relacionados à temperatura são: época de semeadura, cobertura do solo com palha, plantio direto e escolha da cultivar adequada para a região.

Veja no vídeo através deste link, a diferença de temperatura na palhada e no solo descoberto.

Para obter altas produtividades em lavouras de milho e soja, quando o assunto for clima, as práticas de manejo citadas neste artigo são imprescindíveis para a diluição dos riscos que afetam a produção. Atualmente, diversas ferramentas estão disponíveis para auxiliar os agricultores com o manejo. O conhecimento dessas ferramentas está diretamente relacionado ao sucesso da produção.

Para contribuir com esta missão, a BioGene leva para o mercado um portfólio interessante de milho e soja. Consulte o Representante autorizado da sua região e deixe-o ajudá-lo com estes desafios.

Autor: Marcelo Detomasi