Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksBioGene / Media Center / Notícias

Notícias

19/08/2016

União Europeia aponta destaque do Brasil na venda de carnes para o bloco

O Brasil continua com boa presença na Europa quando se trata de carnes. É o que mostram os dados do primeiro semestre da União Europeia, divulgados nesta semana.

O país continua sendo a principal fonte de compras dos europeus nas carnes de frango e bovina. No primeiro caso, os países do bloco europeu importaram 269 mil toneladas do Brasil, 7% mais do que de janeiro a junho do ano passado. O volume de carne de frango exportado pelo Brasil manteve participação de 56% das 480 mil toneladas importadas pelo bloco.

Além de o Brasil manter boa participação no mercado europeu, avançou também na China, um dos principais mercados para a carne de frango, segundo a comissão europeia de agricultura. As compras da China e de Hong Kong somaram 1,3 milhão de toneladas no ano passado. A seguir vieram Japão (948 mil) e México (839) mil.

O Brasil até vem perdendo, aos poucos, participação no volume importado pela União Europeia, mas ainda mantém uma boa distância da Tailândia, a segunda colocada. Os brasileiros colocaram 69% mais carne de frango no mercado europeu do que os tailandeses.

O Brasil também é a principal fonte de compra de carne bovina dos europeus. Nos cinco primeiros meses, houve um aumento de 12% nas exportações brasileiras para o bloco, segundo a comissão europeia.

O Brasil é responsável por 45% da carne bovina importada pela União Europeia. Um dos motivos dessa aceleração das vendas de proteínas para os europeus são os preços competitivos do produto brasileiro, admitem os próprios europeus.

O mercado europeu de carne suína também esteve aquecido no primeiro semestre do ano.

Mesmo com a perda do mercado russo, que representava 30% das exportações, a União europeia mantém aquecidas as vendas externas. Colocaram 2,1 milhões de toneladas no exterior no primeiro semestre do ano , 44% mais do que em igual período de 2015.

A China, líder nas importações europeias, ficou com 985 mil desse volume exportado pelos europeus. Os chineses são os maiores produtores e consumidores mundiais de carne suína. No ano passado, a China produziu 51,3 milhões de toneladas e, junto com Hong Kong, importou 2,4 milhões.​