Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksBioGene / Media Center / Notícias

Notícias

25/08/2016

Mato Grosso e Peru discutem integração comercial e logística entre Brasil e países andinos

A visita da delegação peruana é resultado da aproximação realizada durante a Caravana da Integração em abril.

Os representantes do Governo do Departamento de Tacna estiveram reunidos com o secretário de Desenvolvimento Econômico (Sedec), Ricardo Tomczyk, e o secretário adjunto de Indústria, Comércio, Minas e Energia, Eduardo Mota, na última sexta-feira, 19 de agosto. Na ocasião foram discutidas possibilidades de comércio bilateral.

Conforme a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec), os peruanos ainda destacaram o apoio do Governo de Mato Grosso para a viabilização de recursos para a pavimentação dos mais de 300 quilômetros entre Cáceres e a cidade de San Matias, na Bolívia. A pavimentação é tida como o primeiro passo para o fortalecimento da integração entre Brasil e os países andinos.

Mato Grosso é enxergado pelos peruanos como um parceiro estratégico, visto o Estado ser o maior produtor de grãos do Brasil e ao fato da China ser o país que lidera a importação de commodities brasileira, em especial a soja, além de minérios.

“Nós de Tacna estamos em uma região que faz fronteira com Chile e Bolívia. Por isso, assim como vocês de Mato Grosso, buscamos a integração econômica e social por meio do corredor Bioceânico para unir o Pacifico com o Atlântico. Neste sentido, nós nos propusemos a conversar com os empresários e os líderes do governo para podermos integrá-los”, pontuou o gerente da Zona Franca de Tacna, Jorge Ortiz.

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Ricardo Tomczyk, afirma que Mato Grosso tem "total interesse em fomentar as relações com os mercados internacionais. Transportamos grandes volumes de produtos e se essa rota sul for realmente mais curta e mais barata, creio ser um passo a mais rumo ao estreitamento com o mercado chinês, sobretudo”.

Fonte: AgroOlhar