Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksBioGene / Media Center / Notícias

Notícias

03/11/2016

Argentina: alagamentos e falta de condição de solo prejudicam cultivos em Santa Fé

As intensas chuvas e tempestades ocorridas nos últimos dias provocaram encharcamento e alagamento nos campos do centro e do norte da província de Santa Fé, na Argentina, prejudicando o trigo que já se encontra em etapa de espigamento e começo de enchimento de grãos.

Também foram danificados o milho e o girassol recém implantados, especialmente aqueles que estão nos lotes mais baixos.

Depois de três ou quatro dias ensolarados, uma nova manifestação de instabilidade climática com ocorrência de chuvas em 75% da área, sendo que os departamentos de San Martín, Castellanos (centro Sul), Las Colonias (centro-sul), La Capital e San Jerónimo foram os mais afetados, com registros de descargas elétricas, fortes rajadas de vento e queda de granizo em vários locais pontuais, com maior incidência em centros urbanos e menor impacto em zonas rurais, com escassos danos nos cultivos, segundo informou o Sistema de Estimativas Agrícolas da Bolsa de Comércio de Santa Fé.

Os milímetros de água criaram condições de encharcamento e alagamentos parciais muito desfavoráveis para os cultivos de trigo em etapa de espigamento e começo de enchimento de grãos, assim como para o girassol e para o milho implantados, em particular nas posições topográficas mais baixas da paisagem, que já apresentavam solos de saturados a muito saturados.

Entre os produtores, há preocupação por conta de falta de condição de solo para continuar com as atividades específicas, como tarefas de aplicação e controle de pragas por um lado e as plantadeiras que não puderam entrar em ritmo constante de plantio. Com isso, o nascimento de pragas não deu trégua, sendo a buva e as plantas daninhas as que mais trouxeram complicações.

Por sua parte, o processo de plantio de soja foi iniciado nas superfícies e solos que permitiram a atividade, com uma média de avanço de 1,5%, representando um atraso de 10,5% em comparação com a safra passada.

Tradução: Izadora Pimenta