Skip Ribbon Commands
Skip to main content
Navigate Up
Sign In
Você está em: Skip Navigation LinksBioGene / Media Center / Notícias

Notícias

05/04/2017

Colheita da soja no Brasil entra em ritmo final

Muitas áreas de instabilidade ainda são observadas sobre o norte do Brasil e em grande parte das regiões produtoras do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia.

A chuva atrapalha os trabalhos de colheita da soja em várias propriedades destes estados. Ainda não há relatos de perdas. A previsão indica mais chuva até o final desta semana e alguns produtores podem registrar perdas, principalmente na qualidade dos grãos, por causa da alta umidade e o estágio avançado de maturação das plantas.

A tendência é que na semana que vem às chuvas voltarão a ter um comportamento mais de pancadas irregulares, permitindo que os trabalhos de colheita voltem a se intensificar sem grandes transtornos.

Após um período de tempo seco e sem chuva no Sul, a passagem de uma frente fria pela região nesta quarta-feira (05), irá trazer chuva em praticamente todas as áreas produtoras de soja. Com isso, os trabalhos de colheita que vem em ritmo acelerado irão sofrer paralisações. Contudo, não há indicativos de que a chuva possa trazer prejuízos aos produtores. Segundo os modelos de previsão, a partir da semana que vem, a chuva volta a ficar mais concentrada sobre a região Sul e por causa disso, as paralisações se tornam mais frequentes, mas mesmo assim, não irá afetar os altos índices de produtividade que vem sendo registrados na região.

Como a colheita da soja no Brasil já se encaminha para a finalização, a tendência é que a produção da oleaginosa fique acima dos 111 milhões de toneladas. As médias de produtividade também estão excelentes em, praticamente, todo o país. Sendo que a média geral deverá passar dos 51 sacos por hectare para os atuais 55 sacos por hectare. Um novo e excelente patamar para o Brasil. Apenas o Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia é que podem registrar perdas de produtividade por conta da forte estiagem ocorrida entre os meses de dezembro e janeiro.​

Fonte: Climatempo